Carlos Eduardo abre 16 pontos em Natal


A pesquisa OPINE/BANDaponta um cenário muito favorável para o candidato Carlos Eduardo (PDT), no maior colégio eleitoral o RN. Em Natal, Carlos Eduardo tem 33%e Fátima Bezerra 17%, Robinson Faria tem 9%.

Além de tá disparado onde foi prefeito por quatro mandatos provando o lema “Testado e Aprovado”, Carlos Eduardo que estava com mais de 30 pontos atrás de Fátima em Mossoró já ver essa diferença ficar na casa do 15%, encostando no 2º maior colégio eleitoral.

O crescimento de Carlos Eduardo na reta final do primeiro turno atesta que no RN teremos uma disputa polarizada entre Fátima Bezerra e Carlos Eduardo.

Por João Marcolino

Tudo é possível no RN

O resultado das últimas pesquisas apontam segundo turno nas eleições deste ano no Rio Grande do Norte. Quem vai. Pode ser Fátima Bezerra e Carlos Eduardo. Fátima e Robinson Faria. E porque não Carlos Eduardo e Robinson. Tudo é possível.


*Robson Pires

Pesquisa IBOPE/RN: Fátima, 39%; Carlos Eduardo, 25%; Robinson, 13%

Pesquisa IBOPE divulgada nesta sexta-feira (21) aponta os seguintes percentuais de intenção de voto para o governo do Rio Grande do Norte:

Fátima Bezerra (PT): 39%

Carlos Eduardo (PDT): 25%

Robinson Faria (PSD): 13%

Brenno Queiroga (solidariedade): 3%

Professor Carlos Alberto (PSOL): 2%

Freitas Jr. (Rede): 1%

Dário Barbosa (PSTU): 1%

Heró Bezerra (PRTB): 1%

Brancos/nulos: 11%

Não sabe ou não respondeu: 5%

A pesquisa foi encomendada pela Inter TV Costa Branca. É o segundo levantamento do Ibope realizado depois da oficialização das candidaturas na Justiça Eleitoral.

No levantamento anterior, feito de 14 a 16 de agosto, os percentuais de intenção de votos eram os seguintes: Fátima Bezerra, 34%; Carlos Eduardo, 15%; Robinson Faria, 8%; Brenno Queiroga, 1%; Professor Carlos Alberto, 2%; brancos ou nulos; 31%; não sabe ou não respondeu, 9%. Freitas Jr, Dario Barbosa e Heró Bezerra não pontuaram na primeira pesquisa.

O Ibope também mediu a taxa de rejeição (o eleitor deve dizer em qual dos candidatos não votaria de jeito nenhum). Os entrevistados podem citar mais de um candidato, por isso, os resultados somam mais de 100%. Veja os índices:

REJEIÇÃO

Robinson Faria (PSD): 52%

Fátima Bezerra (PT): 24%

Carlos Eduardo (PDT): 19%

Dário Barbosa (PSTU): 14%

Freitas Jr. (Rede): 13%

Heró Bezerra (PRTB): 13%

Brenno Queiroga (Solidariedade): 12%

Professor Carlos Alberto (PSOL): 11%

Poderia votar em todos: 2%

Não sabe ou prefere não opinar: 10%

SIMULAÇÕES DO SEGUNDO TURNO

Carlos Eduardo (PDT): 33% x 49% Fátima Bezerra (PT) (branco/nulo: 15%; não sabe: 3%)

Fátima Bezerra (PT): 57% x 22% Robinso Faria (PSD) (branco/nulo: 19%; não sabe: 2%)

Carlos Eduardo (PDT): 51% x 22% Robinson Faria (PSD) (branco/nulo: 25%; não sabe: 3%)

EXPONTÂNEA

Na modalidade espontânea da pesquisa Ibope (em que o pesquisador somente pergunta ao eleitor em quem ele pretende votar, sem apresentar a relação de candidatos), o resultado foi o seguinte:

Fátima Bezerra (PT): 25%

Carlos Eduardo (PDT): 13%

Robinson Faria (PSD): 7%

Brenno Queiroga (solidariedade): 2%

Professor Carlos Alberto (PSOL): 0%

Freitas Jr. (Rede): 0%

Dário Barbosa (PSTU): –

Heró Bezerra (PRTB): 0%

Outros: 1%

Brancos/nulos: 21%

Não sabe ou não respondeu: 30%

SOBRE PESQUISA

Margem de erro: 3 pontos percentuais para mais ou para menos

Quem foi ouvido: 812 eleitores de todas as regiões do estado, com 16 anos ou mais

Quando a pesquisa foi feita: 18 a 20 de setembro

Registro no TRE: RN-08720/2018

Registro no TSE: BR‐0811/2018

O nível de confiança utilizado é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral, considerando a margem de erro

0% significa que o candidato não atingiu 1%. Traço significa que o candidato não foi citado por nenhum entrevistado.

G 1 (RN)

Casos de câncer devem crescer 80% até 2040 no Brasil

O mês de setembro está sendo marcado por diversas cores, em alerta as que referem-se as campanhas contra os tipos de câncer. O principal problema, é que a doença já indica números alarmantes em relação a sua incidência.

Prova disso, são os dados divulgados pela Organização Mundial da Saúde que indicam que o Brasil terá 559 mil novos casos de câncer somente em 2018 e cita que a doença deve crescer quase 80% até 2040.

Funcionários da campanha do PT em greve

Parte dos funcionários da campanha do PT à Presidência cruzou os braços nesta semana, publica o Estadão. Os profissionais responsáveis pela produção dos programas eleitorais do PT para a TV alegam atraso nos pagamentos. A greve ameaça a entrega dos novos comerciais da coligação dedicados a apresentar Fernando Haddad como o poste de Lula.

Alimentos poderão ter alerta sobre alto teor de sódio


Alimentos classificados como tendo alto teor de sódio deverão ter no rótulo ou na embalagem advertência ao consumidor sobre essa característica. Projeto com esse objetivo foi apresentado pelo senador Paulo Bauer (PSDB-SC). O PLS 392/2018 altera o Decreto-Lei 986, de 1969, para estabelecer que a autoridade sanitária deverá indicar quais alimentos apresentam elevado teor de sódio em sua composição nutricional.

Ainda sem relator, o PLS 392/2018 deverá ter análise terminativa na Comissão de Assuntos Sociais (CAS). Pelo texto, os alimentos deverão então conter em suas embalagens ou rótulos, “de forma destacada e em caracteres legíveis”, a indicação “alto teor de sódio”. A própria autoridade sanitária deverá regulamentar os aspectos gráficos do aviso, como tamanho, cor, localização e área.

Ação no TRE pede cassação de candidatura de Robinson Faria

O Tribunal Regional do Estado (TRE/RN) vai julgar uma ação de investigação judicial eleitoral contra o governador Robinson Faria (PSD), candidato à reeleição. A ação é movida pelo diretório estadual doPSOL e acusa o governador, bem como seu companheiro de chapa, Tião Couto (PR), por abuso de poder econômico. O fator que motiva o pedido de investigação é a inauguração do inacabado Complexo Viário da Redinha, em Natal. O caso, que tem como relator o desembargador Cornélio Alves, pode levar à cassação da candidatura da chapa encabeçada por Robinson, caso o TRE atenda à solicitação do PSOL.

Segundo a peça formulada pelos advogados do PSOL, Kennedy Diógenes e Sanderson Mafra, o governador Robinson Faria cometeu abuso de poder político ao inaugurar, em 5 de julho passado, o complexo viário da Redinha, uma obra que está apenas parcialmente finalizada. Das três etapas do projeto, apenas uma está pronta: a construção do viaduto, com a liberação inicial do trecho da avenida Conselheiro Tristão. Ficaram faltando as outras duas etapas: a ligação do acesso a Genipabu até a avenida Tocantínea, devidamente asfaltada e sinalizada, e a ligação da avenida Tocantínea, passando pela avenida Rio Doce, seguindo na avenida das Fronteiras, até o acesso à BR-101, igualmente com vias asfaltadas e sinalizadas.

A ação de investigação judicial eleitoral relata ainda que a decisão de liberar a obra sem concluí-la gerou prejuízos imediatos para a população. Após a inauguração, houve ocorrência de acidentes automobilísticos, alagamentos de vias e danos a veículos, já que ainda não havia sinalização, drenagem e recapeamento das vias que compõem o entorno do Complexo Viário da Redinha.

Para o PSOL, a inauguração precipitada liderada pelo governador contraria a legislação em duas frentes ao mesmo tempo. Primeiramente, afronta a Lei das Eleições (9.504/97), por ter Robinson entregue deliberadamente uma obra inconclusa dois dias antes de iniciar o prazo que veda a participação de candidatos em cerimônias públicas de inaugurações. Da mesma forma, os advogados Kennedy Diógenes e Sanderson Mafra apontam que a inauguração comandada por Robinson desobedeceu a Lei Estadual 10.164/2017, que “veda realização de despesa pública em inaugurações de obras ou serviços públicos, sem que estas estejam em condições de pleno funcionamento”.

Reunidas essas irregularidades, o PSOL pede ao TRE que reconheça a responsabilidade do governador no cometimento delas e casse as candidaturas de Robinson Faria e de seu companheiro na chapa com a qual ele tenta a reeleição, por terem se beneficiado do abuso. Pede ainda que, na hipótese de serem eleitos, que a Justiça Eleitoral casse os seus diplomas. Se a ação for julgada procedente, Robinson e seu candidato a vice-governador também podem ficar oito anos inelegíveis, o que também é requerido pelos advogados do PSOL.