Ator Caio Junqueira, de “Tropa de Elite” e “O Mecanismo” sofre acidente no Aterro do Flamengo e é internado em estado grave


O ator Caio Junqueira se envolveu em um grave acidente na altura do Monumento aos Pracinhas, no Aterro do Flamengo, na tarde desta quarta-feira (16).

Após seu carro capotar, ele ficou preso dentro do veículo, desacordado, e foi socorrido e levado para o Hospital Miguel Couto, no Leblon. Por volta das 16h20, a Secretaria Municipal de Saúde, responsável pela unidade, informou que o paciente seguia em atendimento com o quadro grave.

Os primeiros a chegarem ao local foram agentes do Aterro Presente. Segundo a assessoria de imprensa do programa Segurança Presente, Caio está com uma fratura exposta no braço e foi sedado.

Familiares contaram ao G1 que o ator foi levado para a sala de trauma e passará por uma cirurgia.

O artista de 42 anos atuou no filme “Tropa de elite”, interpretando Neto, o aspirante “06” que tentava entrar no Batalhão de Operações Especiais (Bope). Um de seus últimos trabalhos foi na série “O mecanismo”, sobre a Lava Jato.

O ator Caio Junqueira em 2007 — Foto: TV Globo / Bob Paulino

Caio Junqueira em cena com Wagner Moura no filme ‘Tropa de elite’ — Foto: Reprodução/’Tropa de elite’

O Corpo de Bombeiros informou que foi acionado às 13h20 para um capotamento na Avenida Infante Dom Henrique. Segundo testemunhas, o carro teria subido o meio-fio e bateu em uma árvore antes de capotar.

As pistas do Aterro foram fechadas após o carro se envolver no acidente e foram parcialmente liberadas por volta das 14h50.

Devido às retenções, o Centro de Operações recomenda que os motoristas utilizem a Praia do Flamengo, pelo Túnel Rebouças ou pelo Santa Bárbara.

G1

Governo conclui hoje parcela antecipada da folha de janeiro e paga salário integral a servidores da segurança

O Governo do Estado conclui ao longo do dia de hoje o pagamento antecipado do salário do mês de janeiro dos servidores que ganham (bruto) até R$ 3 mil.

Também estão sendo pagos os salários integrais de todos os servidores da segurança pública.

O montante repassado aos servidores é de R$ 109,2 milhões.

No dia 11 já foi pago, antecipadamente, 30% do salário bruto para todas as faixas salariais.

A folha de janeiro será concluída no dia 31, com o pagamento dos 70% restantes aos servidores que recebem acima de R$ 3 mil, os da Educação e dos órgãos com arrecadação própria.

A antecipação salarial, segundo o Governo, é uma forma de movimentar a economia do Rio Grande do Norte e valorizar o papel do servidor público.

Prefeitura de Macaíba suspende concurso para 627 vagas

O concurso público da Prefeitura de Macaíba, que prevê o preenchimento de 627 vagas de níveis médio e superior, foi suspenso temporariamente por “apresentar diversas falhas e descumprimento do instrumento editalício”. O aviso foi publicado na edição do domingo (13) do Diário Oficial do Município.

O concurso foi aberto pela própria prefeitura, com salários que variam de R$1.082,24 a R$10.573,50. O período de inscrições foi de 3 de dezembro de 2018 a 3 de janeiro deste ano, e as taxas custaram R$ 85 para nível médio e R$ 105 para nível superior.

Já a prova, até então prevista para fevereiro, agora não tem data para acontecer. “O ato de reabertura do Concurso com as devidas retificações será publicado oportunamente no Diário Oficial do Município, bem como nas mídias oficiais da Prefeitura Municipal de Macaíba e no Diário Oficial do Estado”, conclui o aviso de suspensão.

A banca organizadora do concurso é a Consulpam Consultoria.

Polícia Federal cumpre mandados na Ritz Property na Arena das Dunas

Foto: cedida

A Polícia Federal do RN cumpre na manhã desta terça-feira(15) mandados de busca e apreensão na empresa Ritz Property Investimentos Imobiliários Ltda, na Arena das Dunas.

Em dezembro de 2018, a Ritz foi um dos alvos da Operação Caviloso. A notícia foi destaque no Blog. 


*Blog do BG

Bolsonaro assina nesta terça-feira decreto que facilita posse de armas

O presidente Jair Bolsonaro assinará na manhã desta terça-feira o decreto de flexibilização da posse de armas . A assinatura ocorrerá em uma cerimônia, às 11h, no Palácio do Planalto. A informação foi confirmada pela assessoria da Casa Civil. Após a cerimônia, o texto será publicado no Diário Oficial da União.

A flexibilização do Estatuto do Desarmamento foi uma das principais promessas de campanha de Bolsonaro. Em atos públicos durante o processo eleitoral, o então candidato costumava posar simulando armas com as mãos. Ele gerou polêmica ao estimular que crianças também repetissem o gesto.

Uma prévia do texto do decreto, divulgado na semana passada pelo SBT, indicava que os interessados poderiam ter até duas armas em casa. A efetiva necessidade de possuir uma arma passa a incluir automaticamente os brasileiros que moram em cidades ou unidades da federação com taxa de homicídios superior a dez mortos a cada 100 mil habitantes.

Também são contemplados proprietários ou responsáveis legais por estabelecimentos comerciais, residentes em áreas rurais, além de servidores públicos que exercem funções com poder de polícia. Em todos os casos, são mantidas regras como a obrigatoriedade de ter 25 anos, demonstração de capacidade técnica para manusear o armamento, avaliação psicológica, entre outras exigências. O texto, no entanto, passou por ajustes finais na Casa Civil.

Um levantamento do GLOBO em três capitais do país mostra que oscustos para adquirir uma arma atualmente partem de R$ 4 mil em diante e podem chegar a até R$ 10 mil.

Dados do IBGE e do Ministério da Saúde cruzados pelo GLOBO mostram que pelo menos 169,6 milhões de pessoas — quatro em cada cinco brasileiros — podem ser diretamente afetadas com acesso mais fácil a armas por moradores de cidades com taxas de homicídios superiores a dez mortes para cada 100 mil habitantes. Ao todo, 3.179 dos 5.570 municípios estão acima desta linha de corte.

Na semana passada, o Planalto encomendou uma campanha publicitária para explicar à população as novas regras para obter a posse de armas no Brasil. O Planalto quer evitar que o ato do presidente seja entendido por parte da população como um “risco de aumento da violência”. A ação também tem como meta diferenciar a posse, o direito de ter arma em casa, e o porte, que permite andar armada. A estratégia de comunicação usará televisão, rádio, mídia impressa e outdoor, mas vai priorizar as redes sociais.

O GLOBO

Polêmica com diretora da Funai deixa Sérgio Moro sem prestígio no Governo

Programa de índio no governo Bolsonaro.

O ministro Sérgio Moro, que lá atrás, quando aceitou assumir um super-ministério, deixou claro que não admitiria atos de corrupção em qualquer que fosse o ministério, e o presidente Jair Bolsonaro assinou embaixo a exigência, se vê às voltas com sua declaração…e a realidade do Governo.

Moro determinou a exoneração da diretora de Proteção Territorial da Funai, Azelene Inácio.

A Funai não está no organograma do ministério de Moro, e sim do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, da polêmica pastora Damares Alves.

Mas…

Moro entrou no Governo anunciando que não admitiria corrupção, e Azelene é investigada pelo Ministério Público por conflito de interesse por parte dela.

Azelene Inácio disse que não foi exonerada, que continua dando expediente normalmente na Funai e que se sente perseguida.

Em entrevista, disse se sente “dentro do governo do PT”, e não no governo Bolsonaro…

Por enquanto, 1 a zero para Azelene.


*Thaisa Galvão 

Botão vermelho ou bomba nuclear: vem aí o fim da reeleição para cargos majoritários

Do Antagonista:

A bomba nuclear de Guedes

Paulo Guedes tem uma “bomba nuclear” para aprovar a reforma previdenciária, segundo a Época.

Trata-se do fim da reeleição para cargos majoritários.

“A cláusula já foi apelidada de ‘botão vermelho’ ou ‘bomba nuclear’.

Guedes tem dito a interlocutores em Brasília que Bolsonaro a aceitaria sem problemas, já que governa ‘para as futuras gerações’.

Seria um estímulo à ambição daqueles que almejam disputar não apenas a Presidência, mas também governos e prefeituras.

Ao apresentar a ideia ao ex-presidente Michel Temer e ao presidente do Supremo, ministro Dias Toffoli, ela foi vista como uma moeda de troca para conquistar o voto de deputados e senadores reticentes.”

O fim da reeleição é vital, com ou sem reforma previdenciária.